Quando o impensável se torna cotidiano

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Esta semana comecei a (re)ler um clássico do mundo da economia chamado “The Black Swan”, do economista e filósofo Nassin Nicholas Talleb. Para quem não conhece o significado do termo, Cisnes Negros foram considerados inexistentes na natureza até certo momento da história, quando foram descobertos por europeus no continente da Oceania no início do século XVIII.

Taleb define que um “cisne negro” é um evento altamente improvável de acontecer, mas que após ocorrido, passa a ser completamente explicável. Basicamente, possui três características: difícil de se prever; causa grande impacto na sociedade e; após ocorrido, torna-se extremamente lógico e explicável. Um exemplo muito bem aceito desse tipo de evento foram os ataques de 11/09/2001, nos USA:

  • Não se assumia o risco de um sequestro de aviões em território americano, muito menos que poderiam ser usados como “armas”;
  • Após os ataques, vieram guerras, novas doutrinas politicas e econômicas que moldaram o início do século XXI.
  • De inexplicável, passou a ser referência para elaboração de novas rotinas de segurança no setor aéreo.

Em um evento da XP ano passado, Taleb disse não considerar a Covid-19 um Cisne Negro e que as consequências da “gripe” são o que são por puro despreparo dos líderes mundiais e, porque não, da população em si.

Dentro dessa definição, acredito que o cisne em questão não é o evento da Covid e sim, seus desdobramentos. Setores inteiros da economia em home office, a população mundial usando máscara, toques de recolher e restrições de circulação indo e vindo em todos os continentes. Eventos inimagináveis há 2 anos atrás.

Na agricultura, temos visto uma escalada de preços em praticamente todas as commodities, com a arroba do boi tocando os R$300 reais mês sim, mês não, café com preços recordes em plena safra e soja sendo importada, quem diria, para atender as necessidades da indústria nacional. 

A grande lição disso tudo é que devemos estar prontos para o inimaginável, mas como? A resposta mais sensata para mim, é: sendo flexíveis e adaptativos. Responder rápido a mudanças bruscas de cenário é uma capacidade que requer treinamento constante, uma vez que exige não só vontade, mas preparo para gerir a incerteza e tomar certos riscos quando o incerto predomina. Algo complexo para se fazer, mas necessário para seguir em frente.

E para você? Qual foi seu Cisne Negro nos últimos 18 meses? O que hoje é realidade que há alguns meses seria impensável?

Thales Consentine – Caffeex Tecnologia